A Falta De Oportunidade Para Pessoas Transsexuais E Travestis Nas Universidades

Existem muitas dificuldades que envolvem a vida de pessoas Trans e Travestis no Brasil e a educação é uma dessas — a começar desde o ensino básico. De acordo com uma pesquisa realizada pelo defensor público João Paulo Carvalho Dias, presidente da Comissão da Diversidade de Ordem dos Advogados do Brasil, 82% das pessoas Trans e Travestis abandonaram os estudos ainda na educação básica. Os motivos mais recorrentes são violência, discriminação, condições financeiras, tudo isso contribui para evasão escolar.

Na Universidade esse número é ainda mais alarmante, pois de acordo com as estimativas da Associação Nacional de Travestis e Transexuais, somente 0,02% das pessoas trans chegam a Universidade. Sendo um apenas um pouco maior na Universidade Federal, com o total de 0,03% de estudantes, sendo 58% das pessoas pretas e 76% das pessoas tem a renda de até um salário mínimo e meio.

Toda essa exclusão é reflexo de uma sociedade que já no início básico trata com discriminação e dentro do próprio ambiente familiar que deveria ser um lugar de acolhimento, acabam não sendo aceitos, tendo que desde muito cedo encontrar alternativas de sobrevivência em subempregos.

Para mudar essa realidade dentro da educação é necessário políticas públicas que visam combater discriminações, através da conscientização, começando pelo ensino básico. Além disso, é importante garantir a participação política de pessoas transgêneras para mudar essa realidade. Nas Universidades também deve haver esse processo de conscientização e inclusão.

A Zumbi dos Palmares é uma Universidade que visa a inclusão de pessoas negras, de baixa renda dentro do mercado de trabalho. Por isso oferecemos cursos com baixo valor que permite com que mais pessoas tenham acesso ao ensino superior. Conheça nossa Universidade!

 

 

 

Sua opinião!

Gostou do artigo? Quero muito saber a sua opinião. Escreva um comentário!