6 filmes sobre representativa e a luta negra para você assistir em novembro

O mês de novembro vem acompanhado de uma data cheia de luta e história: o Dia da Consciência Negra (20/11).

A data faz referência à morte de Zumbi dos Palmares, símbolo de resistência dos negros escravizados no Brasil, e reafirma a luta da população negra contra a opressão no país.

Hoje, nós da Zumbi preparamos resenhas de alguns filmes com temáticas que envolvem a representativa e a luta negra que com certeza te farão refletir ao longo desses dias.

Faça a Coisa Certa (Do The Right Thing)

O clássico, dirigido por Spike Lee, capta um drama urbano em Nova York que decorre do fato de uma pizzaria localizada no Brooklyn só apresentar cartazes decorativos de figuras ítalo-americanos quando a maioria dos clientes é negra.

Em meio a tensão racial sempre presente, Mookie, funcionário negro da pizzaria, e Sal, italiano dono da pizzaria, se desentendem, os protestos começam, policiais aparecem e a confusão vira tragédia.

Mas a questão é: Foi feita a coisa certa?

Só assistindo para saber.

M-8 Quando a Morte Socorre a Vida 

Entre os nacionais, o longa dirigido por Jeferson De aborda questões religiosas e de representativa, além de exibir o racismo estrutural e as relações de poder no Brasil.

Maurício, é um jovem periférico e negro que ingressa na faculdade de medicina por meio das cotas. Em sua primeira aula de anatomia ele se depara com M8, um cadáver negro.

Junto ao estranhamento do ambiente e a sua identificação com o corpo, ao longo do semestre ele embarca em uma jornada para tentar descobrir a identidade do cadáver e enfrentar suas angústias.

Infiltrados Na Klan (BlacKkKlansman)

Indicado a cinco categorias do Oscar e também dirigido por Spike Lee, o filme se passa em 1978, no Colorado.

Ron Stallworth, é o primeiro policial negro do departamento e infiltrado na Ku Klux Klan local, sua missão é investigá-los.

A comunicação com os membros ao longo do filme é realizada por meio de telefonemas e cartas, mas com a necessidade de encontros presenciais, um policial branco é enviado para representar Ron sem que eles soubessem.

Depois de meses de investigação e com aproximação do líder da seita, ele sabota uma série de linchamentos e outros crimes de ódio orquestrados pelos racistas.

O filme aborda com sarcasmo a história e ao mesmo tempo gera reflexões sobre a atualidade.

O Ódio Que Você Semeia (The Hate You Give)

“É vida bandida. O ódio que você semeia nas crianças, ferra todo mundo”

Baseado no livro de Angie Thomas, Starr é uma jovem negra que vive em uma comunidade humilde e frequenta uma escola com alunos majoritariamente brancos.

O filme conta sua trajetória depois de presenciar o assassinato do seu melhor amigo por um policial branco.

Mas mesmo em meio a conflitos e ameaças, Starr não abaixa a cabeça e vai até o fim para defender a honra de seu amigo.

Moonlight: Sob a Luz do Luar 

“Não deixe que decidam nada por você, faça suas próprias escolhas.”

A abordagem da incessante busca de identidade é feita com extrema sensibilidade e beleza em Moonlight, o que nos faz compreender o fato do filme ser um dos com maior número de nomeações aos Óscares.

Em meio a alta criminalidade que circula Chiron, um jovem negro morador de uma comunidade pobre de Miami, nós acompanhamos sua jornada em busca de autoconhecimento em três fases da sua vida: infância, adolescência e juventude.

Há um grande aprofundamento na humanidade dos jovens negros, o filme não está interessado em resumir Chiron apenas pelo ambiente violento, humilde e de família desestruturada no qual ele vive e que lhe espera um certo tipo de comportamento.

Estrelas Além do Tempo (Hidden Figures)

O filme retrata a história real de Katherine Johnson, Dorothy Vaughan e Mary Jackson, três cientistas e matemáticas afro-americanas que trabalhavam no Centro de Pesquisas Langley da NASA.

A trama dessas três mulheres negras se passa em plena Guerra Fria, quando Estados Unidos e União Soviética disputavam a supremacia na corrida espacial, e com a sociedade norte-americana enfrentando uma divisão racial.

Nesse contexto, as grandes amigas precisam provar sua competência e lidar com o preconceito para agregarem seu valor dentro da NASA.

Sua opinião!

Gostou do artigo? Quero muito saber a sua opinião. Escreva um comentário!