Pesquisa apresentada na Semana Acadêmica aponta diferenças socioeconômicas entre negros e pardos

Na quinta-feira, 17, o Prof. Dr. Itaquê Santana Barbosa apresentou a palestra “Diferenciações socioeconômicas intraétnicas do negro brasileiro: pretos e pardos na PNAD Contínua (2012-2018)”, parte da Semana Acadêmica da Zumbi.

O professor apresentou como foi feita a pesquisa a partir dos dados da PNAD (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios) feita pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), fazendo uma comparação relativa, observando o percentual de pretos entre pretos numa categoria de resposta e de pardos entre pardos numa categoria de resposta. Foram utilizados microdados dos anos analisados, de 2012 a 2018. Ao todo foram 872 estimativas.

A pesquisa partiu da hipótese de que quanto mais escura é a cor autodeclarada atribuída pelo informante, pior é a condição socioeconômica do indivíduo ou do seu domicílio. “A nossa expectativa era de que pretos teriam sempre uma situação socioeconômica pior do que a dos pardos”, explicou. “Estamos começando a estudar agora e é preciso lembrar que são autodeclarações”.

Ao final, os participantes puderam trazer suas questões e debater sobre o tema.

Sua opinião!

Gostou do artigo? Quero muito saber a sua opinião. Escreva um comentário!